Blog Cidadãos do Mundo - Sucena Shkrada Resk - Jornalismo socioambiental


O condor da Patagônia argentina, por Sucena Shkrada Resk

20/07/2014 17:03

crédito e acervo pessoal de imagens: Sucena Shkrada Resk

Ao chegar no topo do 'mirador de los condores', que não tem esse nome por acaso, avistei um belo ângulo da região. Além do vento, dos raios solares, da vista dos vales e de outras cadeias montanhosas, que compõem o cenário na Patagônia argentina, no entanto, lá estavam essas enormes aves de rapina belíssimas sobrevoando os pontos mais altos. Um misto de sentimentos brotou ao me deparar com essa composição da paisagem. Estava diante de uma das maiores aves do mundo e profundamente simbólica para os povos andinos. Até hoje essas lembranças são importantes para mim porque representam meu aprendizado contínuo sobre quantos motivos são possíveis elencar para a conservação da natureza.

Algo difícil de esquecer. Apesar da máquina fotográfica não ser potente para fazer os registros, a memória ainda está bem presente. Foi em abril de 2012. Depois de alguns dias em El Calafate e de desvendar a beleza dos glaciares e, em especial, de Perito Moreno, parti para a chamada capital do montanhismo argentino, El Chaltén,  uma localidade que faz parte do complexo do Parque Nacional Los Glaciares, que se reveste de imponentes montanhas – como o cerro Fitz Roy - e lindos vales. 

   

Praticamente em uma semana de permanência por lá, fiz pequenas a longas caminhadas, por diferentes trechos, num ritmo tranquilo, respeitando as minhas condições sedentárias urbanas, e pude desvendar estas sutilezas do meio ambiente.

Os condores-dos-andes (Vultur-gryphus), também chamados de águias altaneiras, têm um forte simbolismo para os povos locais, e são consideradas aves sagradas e símbolos nacionais da própria Argentina e de outros países sul-americanos, como Bolívia, Chile, Colômbia, Equador e Peru. De acordo com a tradição inca, é considerada imortal. A representação desta ave ganha tantos outros significados, como de longevidade, saúde e poder, além de ser mensageira de bons e maus presságios e responsável pelo nascer do sol.

O que é incontestável, no entanto, é sua beleza e imponência. Quando estão com suas asas totalmente abertas é algo magnífico de observar. Não conseguia deixar de fixar meus olhos nos seus bailados no ar. Eram as primeiras horas da manhã e sentei em uma pedra do mirante natural e passei a contemplar. Não sei quanto tempo isso durou mas foi suficiente para fazer brotar lágrimas dos olhos. Pensei -  ‘Como é possível tanta perfeição e energia?’. Por mais um dia, fiz este mesmo percurso, e até hoje não me esqueço desses momentos.

Essa espécie é uma das que têm maior envergadura do mundo, chegando a 3,3 metros e a 110 centímetros de comprimento, e a pesar até 12 quilos. Destemidas, parece que não encontram limites, subindo a altitudes de até 5 mil metros. Segundo a União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN), é classificada como ‘quase ameaçada de extinção’ e hoje já existem programas de conservação com reprodução em cativeiro. 

(crédito das fotos: Sucena Shkrada Resk, com exceção da reprodução da imagem de um exemplar do condor, via Wikimedia Commons)

*Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk

—————

Voltar