Blog Cidadãos do Mundo - Sucena Shkrada Resk - Jornalismo socioambiental


#Educaçãoempauta - crianças fora da escola, uma agenda importante no Brasil, por Sucena Shkrada Resk

31/08/2012 13:29

"A sustentabilidade passa pelo acesso à educação inclusiva e com qualidade...e que faça com que os estudantes se reconheçam como protagonistas neste mundo..."

31/08 Hoje foi lançado o relatório "Todas as crianças na escola em 2015" – Iniciativa global pelas crianças fora da escola - (
http://arquivo.campanhaeducacao.org.br/publicacoes/RelatorioCriancasForadaEscola2012_UnicefCampanha.pdf ), no contexto brasileiro. O trabalho, aqui, é uma parceria do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) com a Campanha Nacional pelo Direito à Educação e está sendo desenvolvida também em outros 24 países. No país, a pesquisa aponta que 3,7 milhões de crianças e adolescentes estão fora da escola (desse total, 1,7 milhão no NE), com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2009.

Entre os vários recortes apresentados (urbano, indígena, rural, faixa etária, padrão de renda, motivação de evasão, que são importantes), um dos principais exemplos de falta de investimento, ao meu ver, é a informação de que 65% dos alunos matriculados em escolas rurais no Brasil não são atendidos por sistemas de transporte escolar público, e que além disso, muitos currículos estão desvinculados da realidade, das necessidades, dos valores e dos interesses dos estudantes residentes no campo...

Mais uma constatação de exclusão está relacionada à raça ou à etnia e à renda familiar das crianças em risco de abandono. Nessa ciranda de desigualdades, um exemplo que evidencia isso, é que 30,67% das crianças brancas (1,6 milhão) têm idade superior à recomendada nos anos finais do Ensino Fundamental, já as crianças negras a taxa é bem superior, de 50,43% ou 3,5 milhões.
Na síntese de recomendações do documento, está a priorização da intersetorialidade das políticas públicas para assegurar a universalização e a indivisibilidade dos direitos da criança; como também, eliminar da cultura escolar a naturalização da repetência, da evasão, da não alfabetização na idade certa e da não aprendizagem. E a fim de chegar a esse resultado, a atenção individualizada e avaliação contínua são os caminhos possíveis.

Aí está um tema prioritário para o poder público, da esfera municipal à federal. Em ano de Eleições, é algo importante de se cobrar dos candidatos.

 

—————

Voltar